domingo, 4 de março de 2007

A magia das luzes: Alumieira, Lumiar (1)

ALUMIEIRA (lugares das freguesias de Esgueira e Loureiro, respectivamente nos concelhos de Aveiro e Oliveira de Azeméis), LUMIAR (lugar da freguesia de Pelmá, no concelho de Alvaiázere; vértice geodésico e freguesia no concelho de Lisboa; monte na freguesia de S. Vicente, no concelho de Chaves), LUMIARES (vértice geodésico na freguesia de São Martinho das Chãs e lugar na freguesia de Santa Cruz, no concelho de Armamar), PEDRA DE LUMIAR (vértice geodésico na freguesia e concelho de Góis) e RIBEIRA DO LUMIAR (ribeira na freguesia e concelho de Góis); LUMEARES DA CIDADELLA (monte na Galiza), AS LUMIEIRAS (lugar da paróquia de Millán, Galiza).
NOSSA SENHORA DA ALUMIEIRA: capelas no lugar de Alumieira da freguesia de Esgueira, e no lugar de Taipa da freguesia de Requeixo, uma e outra no concelho de Aveiro; capela no lugar de Landiosa, na freguesia de Aguada de Baixo do concelho de Águeda; capela no lugar de Lavandeira, na freguesia e concelho de Oliveira do Bairro; capela no lugar de Alumieira, na freguesia de Loureiro do concelho de Oliveira de Azeméis. O orago da capela do lugar de Taipa (Requeixo, Aveiro) é conhecido localmente pela forma sincopada de Nossa Senhora da ALMIEIRA.

Enquanto a forma "Lumiar" se manteve despida de quaisquer acrescentos, já o parente (?) "Lumieira", quando emprestado à toponímia, pelo menos em Portugal, apresenta-se sempre sob a forma prostética "Alumieira", ou, para sermos mais precisos, com a coalescência do artigo definido a, fenómeno fonético que nada lhe acrescenta em termos de significado, limitando-se a facilitar a respectiva articulação.
Os mais atentos já estarão a reclamar, chamando à colação o topónimo ALUMIARA, lugar da freguesia de Canidelo, concelho de Vila Nova de Gaia. Contudo, o que a este se acrescentou não foi o a- inicial, mas sim o -u- interconsonântico, aqui colocado pelo tempo e pelo povo por contaminação de "alumiar". Com efeito, o lugar de "Alumiara", alcandorado no alto de uma colina com cerca de 70 metros de altitude, ocupando uma posição donde é possível observar as entradas e saídas da barra do Douro, integra-se na família "Almiara", do árabe al-menara, pelo que deveria ter sido incluído na postagem do passado dia 27 de Fevereiro, se a forma o não tivesse escondido quando, na Carta Militar, fizemos a pesquisa a partir de alm-. Daí ser importante a investigação de base documental, que ajuda a separar as águas e a estruturar cientificamente o estudo toponímico, já que torna possível encontrar as grafias antigas, indispensáveis à descoberta de étimos que, muitas vezes, estão completamente escondidos sob as formas actuais. O motivo de todo este arrazoado centra-se em documentação do século XII, do Cartulário Baio-Ferrado do Mosteiro de Grijó, onde a careca do topónimo é posta ao léu, através das formas "Almeara" (1145 e 1152) e "Almenara" (1152, 1156) (vd. Durand, 1971: 25, 37, 222). Portanto, a evolução etimológica deste topónimo teria seguido o percurso Almenara > Almeara > Almiara > Al(u)miara.
Quanto ao topónimo "Alumieira", ainda se mantém vivo em português o apelativo derivado do mesmo étimo. Referimo-nos às falas "lumieira" , com o significado, entre outros, de "fogueira, fogo, lume" ou "archote, facho" (Machado, 1991), e "lumeeira", com o mesmo sentido (Houaiss, 2003), do plural neutro latino luminaria [> *lumineira > lumeeira (séc. XIII) > lumieira (séc. XV)].
Pelo que fica dito, vimos como a voz "lumieira" (étimo latino) anda semanticamente aparentada a "almenara", "atalaia" (étimos árabes) e "facho" (étimo latino), embora não tenha tido o êxito toponímico destes últimos.
No âmbito da etimologia, o problema complica-se quando nos reportamos a "Lumiar", fala que pode ter tido origem em dois étimos diferentes. Um dos étimos poderia corresponder ao latim luminare "luz, candeia, archote", singular do atrás referido luminaria; o outro, mais de acordo com os testemunhos históricos da língua, radicaria no latim liminare, adjectivo derivado do substantivo limen, liminis "soleira da porta; porta, entrada; casa, morada; limites, fronteiras", nome que os antigos latinos ligavam semanticamente a limes, limitis "caminho que limitava uma propriedade; limite, fronteira; caminho, atalho, estrada; leito dum rio, rego; muralha, muro de defesa".
O substantivo "lumiar" (também com a grafia lomear) já aparece no século XIV, com o significado de soleira da porta (Cunha, 2002). No primeiro quartel do século XVIII continuamos a encontrar o registo "Lumiar da porta: Entrada da porta" com chamada ao verbete "Liminar" (Bluteau, 1716: vol. 5, p. 203), no qual podemos ler:
"Liminar, ou Lumiar. A parte inferior, ou o chão da porta. Limen, inis. [...] Esta palavra Liminar, vem do Latim Limen, que significava a porta de um Templo, e algumas vezes o mesmo Templo; donde nasce que se dizia que os Peregrinos iam Ad limina Apostolorum, em lugar de dizer que iam visitar os lugares Santos. Também chamavam Liminares os nichos em que se colocavam estátuas, porque havia muitos deles nas entradas dos Templos" (Bluteau, 1716, Vol. 5, p. 130).
No primeiro volume desta mesma obra, encontramos, sub verbo "ALUMIAR: Fazer luz; quando se fala no Sol, em uma tocha, em uma candeia, etc. [...]". E, um pouco mais à frente, "Alumiar (termo de parida): Porque a criatura antes de nascer está no ventre materno como em um cárcere escuro e sem luz" (Bluteau, 1712, Vol. 1, p. 309).

-------------------------------------------------------------------------------- continua
bibliografia:
AYÁN VILA, Xurxo M. (coord.) (2002) — Pasado e futuro de Castrolandín (Cuntis): unha proposta de recuperación e revaloración. TAPA: Traballos de Arqueoloxía e Património. Santiago de Compostela: Instituto de Estúdios Galegos Padre Sarmiento. N.º 29 (2002) 187 p. ISSN 1597-5357.
BLÁSQUÉZ, José María (1991) — Religiones en la España Antigua. Madrid: Ediciones Cátedra. 445 p. (Historia/Série menor). ISBN 84-376-0993-3.
BLUTEAU, Rafael (1712-1721) — Vocabulário Portuguez e Latino... Coimbra: Collegio das Artes da Companhia de Jesu (tomos 1 a 5); Lisboa: Officina de Pascoal da Sylva (tomos 6 a 8), 1712-1721. 8 vol. Há uma edição em cd-rom da Academia Brasileira de Letras.
CABEZA QUILES, Fernando (1992) — Os nomes de lugar: Topónimos de Galicia: a súa orixe e o seu significado. 1ª ed. Vigo: Edicións Xerais de Galicia. 561 p. (Montes e Fontes). ISBN 84-7507-688-2.
CARIDAD ARIAS, Joaquín (1995) - Toponimia y mito: El origen de los nombres. Barcelona: Oikos-Tau. 398 p. (Oikos-textos; 6). ISBN 84-281-0858-7.
COSTA, Mário Alberto Nunes — A Provedoria de Esgueira. Arquivo do Distrito de Aveiro. Aveiro: Francisco Ferreira Neves. Vol. 24, nº 93 (1958), p. 53-80.
CUNHA, Antônio Geraldo da (coord.) (2002) — Vocabulário Histórico-Cronológico do Português Medieval. Rio de Janeiro: Fundação Casa de Rui Barbosa e Ministério da Cultura. Cd-rom, versão 1.0. ISBN 85-7004-237-X.
DURAND, Robert (ed.) (1971) — Le Cartulaire Baio-Ferrado du Monastère de Grijó (XIe-XIIIe siècles). Paris: Fundação Calouste Gulbenkian, Centro Cultural Português. LV, 330 p. (Fontes Documentais Portuguesas; 2).
ESPÍRITO SANTO, Moisés (1988) — Origens orientais da religião popular portuguesa, seguido de ensaio sobre toponímia antiga. Lisboa: Assírio e Alvim. XVI, 395 p. (Peninsulares/especial: 10)
ESPÍRITO SANTO, Moisés (2000) — Origens do cristianismo português, precedido de A Deusa Síria de Luciano. Lisboa: ISER da Universidade Nova. 225 p.
FERNANDES, A. de Almeida (1999) — Toponímia Portuguesa: Exame a um dicionário. Arouca: Associação para a Defesa da Cultura Arouquense. 576 p. ISBN 972-9474-13-3.
FERRO RUIBAL, Xesús (dir.) (1998)
Diccionario dos nomes galegos. 1ª reimp. Vigo: Ir Indo. 663 p. ISBN 84-7680-096-7.
FRAZÃO, A. C. Amaral (1981) — Novo dicionário corográfico de Portugal: Continente e Ilhas Adjacentes. Ed. aum., rev. e actual. por A. A. Dinis Cabral. Porto: Editorial Domingos Barreira. 1040 p.
GARCIA, José Manuel (1991) — Religiões antigas de Portugal. Aditamentos e observações às Religiões da Lusitânia de J. Leite de Vasconcelos. Fontes Epigráficas. Lisboa: Imprensa Nacional-Casa da Moeda. 687 p. (Temas Portugueses). ISBN 972-27-0480-X.
HOUAISS, Antônio [et al.] (2002-2003) — Dicionário Houaiss da Língua Portuguesa. Lisboa: Círculo de Leitores. 6 vol. ISBN 972-42-2809-6.
HUBERT, Henri (1988)
Los celtas y la civilización céltica. Madrid: Ediciones Akal. 522 p. (Akal Universitaria; 120). ISBN 84-7600-286.6.
MACHADO, José Pedro (coord.) (1991) — Grande Dicionário da Língua Portuguesa. Lisboa: Publicações Alfa. 6 vol. ISBN 972-626-035-3.
MADAIL, A. G. da Rocha (1942) — Informações paroquiais do distrito de Aveiro de 1721. Arquivo do Distrito de Aveiro. Aveiro: Francisco Ferreira Neves. Vol. 8, nº 31(1942), p. 192-196.
MELEIRO, Maria Lucília F. (1994) — A Mitologia dos Povos Germânicos. Lisboa: Editorial Presença. 210 p. (Fundamentos; 4) ISBN 972-23-1861-6.
MELO, Laudelino de Miranda (1947) — Senhora de Almieira. In Arquivo do Distrito de Aveiro. Aveiro. Vol. 13, n.º 49 (1947), p. 75-80.
PEREIRA, Esteves; RODRIGUES, Guilherme (1904-1915)
Portugal: Diccionario historico, chorographico, heraldico, biographico, bibliographico, numismatico e artistico. Lisboa: João Romano Torres. 7 vol.
REBELO, Domingos (1989) — O culto a Maria na diocese de Aveiro. Aveiro: Secretariado Diocesano. 192 p. ISBN 972-577-115-X.
THIBAUX, Jean-Michel (1999) — Pour comprendre les Celtes et les Gaulois. Paris: Pocket. 219 p. (Pocket: 10627). ISBN 2-266-08527-1.
VASCONCELOS, J. Leite de (1989) — Religiões da Lusitânia. Lisboa: Imprensa Nacional–Casa da Moeda. 3 vol. (Temas Portugueses). Fac-simile da 1ª edição. (Vd. também GARCIA, José Manuel)

1 comentário:

Morgan disse...

Caro Manuel... algum tempo de silêncio é certo, mas estive a preparar a Archeologica que já se encontra pronta a funcionar. Tenho andado a disseminar a seguinte mensagem: "Convido-o (e a todos os que visitam este blogue) a conhecer e a participar num novo projecto na área das novas tecnologias e da arqueologia.
O projecto tem o nome de Archeologica e trata-se de um website em formato wiki, de utilização livre...
Visite e obtenha mais informações aqui: http://ocaco.net/blog/?p=190 ou em http://archeologica.ocaco.net"

Portanto, já sabe, podemos começar... :)